Seguidores...

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Estou Nesses Mares De Verde-Anil – Sou Brasil...

Estou nas cordas da viola
No repente do trovador
No peito que faz a trova
No sorriso do cantador

Estou no fole da sanfona
No repique da zabumba
No triângulo que se soma
Com a poeira da bagunça

Estou na gaita que se escancara
Na bombacha que me acompanha
No minuano que gela a cara
No orgulho de minhas campanhas

Estou no samba batido nas mãos
No pé que dança com tanto prazer
Na batida quente da percussão
Estou no couro que vai comer

Estou na pedra da poesia
Nos navios negreiros de além mar
Nas canções de exílio e agonia
Nas canções de caminhar e cantar...

Estou na pele escura de meus irmãos
Nos olhos puxados dos orientais
Estou nos traços dos índios desse chão
Nos loiros cabelos dos ocidentais

Estou no prato de arroz com feijão
No churrasco dos velhos pantanais
Estou no ensopado de peixe e pirão
Nos temperos e cheiros de nossos quintais

Estou no semblante do velho marinheiro
Estou na luta do operário industrial
Estou na massa que faz o padeiro
Estou na massa de cimento e cal

Estou no suor que cai do trabalho
Estou no prazer de jogar futebol
Estou nos palcos e em seus ensaios
Estou nas praias tomando um sol

Estou na mente de todo nativo
Estou nesses mares de verde-anil
Estou nas palavras que agora digo
Eu sou meu país amado - Brasil!

5 comentários:

Robert Portoquá disse...

Está em todas e está com competência!
Alô Rangel! Estamos aí!
Forte abraço paulistano.

Anônimo disse...

Ola sou filho do Ezequiel(zique).
legal seus versos!
junin_anderson@hotmail.com

Bel Fonseca disse...

Que liiiiiindo!!! Uma viagem pela nossa história. Parabéns!

segredos disse...

Está..De PARABÉNS!
Está também, na memória dos que tiverem o previlégio de ler você, assim como dessa sua leitora (digamos que ausente) risos.

Por absoluta falta de tempo é bom que saiba, beijinhos no coração.

Anônimo disse...

Querido companheiro do overmundo,

seu blog é belíssimo,

passe lá no

http://emaranhadorufiniano.blogspot.com

Espero que goste.

Abrçs.

Marcio Rufino